Técnicos da Uern voltam ao trabalho hoje, mas professores rejeitam proposta e seguem em greve

0 professoresA greve na Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (Uern), que já  dura  quase 5 meses, tomou rumo diferente, ontem, 20. O movimento que até então vinha unificado entre técnicos administrativos e professores ficou dividido.

Reunidos em assembleia, os professores decidiram rejeitar a proposta do Governo do Estado e permanecem em greve. Eles vão esperar o julgamento da justiça sobre o pedido de ilegalidade feito pelo Governo do Estado. O desembargador Cornélio Alves já adiantou que anunciará a decisão nesta quarta-feira, 21.

Professores não aceitaram proposta e seguem em greve

Já os técnicos administrativos retornam ao trabalho hoje, depois de aprovação da proposta de auxilio transporte de 12,035%, índice correspondente ao determinado para a reposição salarial, que, segundo o governo, não pode ser atendido porque o Estado está acima do limite legal da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). De acordo com a nova proposta apresentada e aprovada pela assembleia dos técnicos, o governo se compromete em realizar concurso público, para preenchimento de vagas provenientes de aposentadoria e falecimento, em fevereiro de 2016, e, ainda,  liberar recursos para obras em andamento na Uern. O restante das parcelas que estavam sendo pleiteadas não foi acordado.

O governo se compromete a enviar o projeto de lei à Assembleia Legislativa, em maio de 2017, para o reajuste dos servidores, desde que o Estado esteja dentro dos limites imposto pela LRF para os gastos com pessoal.

O reitor Pedro Fernandes lamentou que o impasse não tenha chegado ao fim, adiantando que se a greve tivesse sido encerrada nesta quarta-feira e as aulas fossem retomadas na segunda, ainda haveria tempo de terminar o primeiro semestre letivo de 2015, este ano. “O  primeiro semestre poderia ir até 30 de dezembro. com isso estaríamos cumprindo os 100 dias letivos”, pontua.

0 sintauern_201015Técnicos da instituição retomam atividades nesta quarta-feira

O reitor Pedro Fernandes lamentou que o impasse não tenha chegado ao fim, adiantando que se a greve tivesse sido encerrada nesta quarta-feira e as aulas fossem retomadas na segunda, ainda haveria tempo de terminar o primeiro semestre letivo de 2015, este ano. “O  primeiro semestre poderia ir até 30 de dezembro. com isso estaríamos cumprindo os 100 dias letivos”, pontua.

O reitor explicou que essa é apenas uma projeção e que o novo calendário acadêmico, com a reposição das aulas, terá que passar pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Consepe). O colegiado terá prazo de 24 horas para se reunir, logo após o fim da greve. (Com informações da Uern).

Fotos: Reprodução / Portal Uern

Print Friendly, PDF & Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *