Supostos OVNIs voltam a cruzar os céus de Areia Branca, segundo relato de populares; Blog relembra casos de aparições no litoral da Costa Branca

pontadomel pesca_thumb[1]Pescadores de Ponta do Mel observaram por noites a fio enormes objetos no espaço se deslocamdo em velocidade espantosa

Supostas aparições de Objetos Voadores Não-Identificados (OVNIs) são uma constante em municípios da Costa Branca, principalmente em Areia Branca. Ao longo dos anos acumulam relatos surpreendentes de pessoas que dizem ter avistado ou ouvido falar de objetos estranhos cruzando o espaço ou se precipitando em direção ao mar.

Depois de uma pausa, surgem novos rumores acerca de supostas aparições nos céus de Areia Branca. No início da semana o blogueiro Erivan Silva abordou o assunto, trazendo relatos de duas pessoas. Uma delas, uma moradora da localidade de Casqueira II, mais precisamente no local conhecido como “Trevo de Golinha”, distante 10 quilômetros da zona urbana, afirmara ao mesmo ter “visto um objeto luminoso próximo à sua residência”.

No início desta semana, Erivan Silva postou no seu blog (www.erivansilva.com) que ouviu do promotor de eventos Santelmo, mais conhecido por Dj Sam, ter avistado um ponto luminoso no céu à altura de Ponta do Mel, no litoral de Areia Branca.

Em janeiro de 2007, durante três dias seguidos OVNIs sobrevoaram a região da Costa Branca, com, as aparições concentradas entre Areia Branca e Tibau. Os relatos com riqueza de detalhes, , na época, foram colhidos pela reportagem do jornal O Mossoroense e renderam amplas reportagens assinadas pelo editor deste Blog, jornalista Luciano Oliveira. 41 OK            Rastro luminoso no céu, próximo a Ponta do Mel, em foto de celular do Dj Sam, no último final de semana

Abaixo, o Blog reproduz uma das reportagens publicadas em 2007, sobre a suposta aparição de OVNIs no litoral da Costa Branca. Relembre.

(…) Por se tratar de um tema polêmico e que na maioria das vezes quem o aborda vira alvo de deboche, testemunhas dessas aparições inexplicáveis relatam o fato com riqueza de detalhes, mas preferem omitir a identidade, temendo caírem no ridículo.

Um dos que dizem ter presenciado o fenômeno concordou em narrar o que viu, desde que seu nome fosse omitido. Como forma de preservar a fonte, foi dado o nome fictício de “Vigilante”.

À reportagem do O Mossoroense, “Vigilante” disse que desde o início da semana (período entre 15 e 20 de janeiro de 2007) escuta falar sobre esses estranhos objetos e na quarta-feira juntamente com outras pessoas presenciou o fenômeno. Ele conta que passava das 20h quando avistou um objeto luminoso parado no ar, confrontando com as luzes que identificam a cidade de Tibau, vista de Areia Branca, emitindo luzes fortes, sendo que as cores branco e vermelho eram mais intensas.

“Vigilante” não soube precisar o formato do objeto, mas, segundo ele, era do tamanho de uma bola de futebol e se assemelhava a um prato comum, mas a confusão de luzes dificultava uma identificação mais precisa das suas formas. “Surpreendentemente o objeto se deslocou na horizontal em velocidade moderada em direção à praia de Baixa Grande”, completa.

Além de “Vigilante”, outras pessoas que residem em Upanema de Cima também afirmam terem visto o OVNI no dia anterior e na quarta-feira, confirmando inclusive tudo o que foi relatado pela fonte. No último dia 18, o caso era assunto de domínio público em Areia Branca e algumas pessoas disseram que estavam dispostas a usar filmadoras e câmeras fotográficas para documentar o fenômeno. Um dos pontos de observação preferido pelos curiosos é o trecho de acesso à praia de Upanema, próximo aos baldes da Salina Norte Salineira S/A (Norsal).

Aparições

Desde a década de 40 relatos de aparições de supostos Objetos Voadores Não-Identificados (OVNIs) fomentam a discussão sobre a existência de vida em outros planetas.

Segundo estatísticas dos ufólogos, pessoas que pesquisam o fenômeno, um objeto estranho é visto a cada dois minutos em média em alguma parte da Terra. Isso significa que desde os anos 40 até hoje, milhões destes OVNIs foram avistados em pelo menos 100 países.

Relatos levam a aparições na região

Esse não é o primeiro caso de aparições de OVNIs na região, onde o fenômeno já se repetiu por diversas vezes. Em Areia Branca, por exemplo, houve um período em que o fato tornou-se uma constante, a ponto de pescadores de Ponta do Mel observarem por noites a fio enormes objetos em formato de bacias, lâmpadas fluorescentes e até postes se deslocando de um lado para outro, no espaço, em velocidade espantosa.

Apesar da precisão dos relatos dos populares envolvendo o aparecimento de supostos OVNIs, as autoridades dizem desconhecer qualquer informação nesse sentido.

É o caso da Agência da Capitania dos Portos em Areia Branca. Procurado pela reportagem, o titular do órgão no município, capitão-tenente Alfredo Pinto (na época), afirmou categoricamente que não tem conhecimento de nada desse tipo. Também foi descartada a hipótese desses objetos serem sinalizadores usados pelas embarcações para alertar as autoridades portuárias sobre algum tipo de avaria.     

Também se levantou a possibilidade dos pontos luminosos serem foguetes de teste ou equipamentos de pesquisa utilizados pela Aeronáutica ou oriundos do Centro de Lançamento da Barreira do Inferno, em Natal. O Mossoroense entrou em contato com ambos os órgãos, sendo informado pelo Centro de Comunicação Social da Aeronáutica que não havia nenhum registro de fatos dessa natureza ocorrido nos últimos dias no Estado.

Mas em contato telefônico com O Mossoroense, um funcionário da Barreira do Inferno, que não quis se identificar, confidenciou que no dia 25 de dezembro passado (2006), em Natal, houve ocorrência semelhante a relatada pelos moradores de Upanema de Cima, em Areia Branca. Ele afirmou, inclusive, que as aparições na capital  foram fotografadas e o material havia sido recolhido e estaria sendo analisado pelas autoridades.

Embora esses casos sejam tratados em sigilo, é possível que as fotografias feitas durante a observação do fenômeno em Natal poderão confirmar se eram, realmente, discos voadores.

* Reportagem de Luciano Oliveira, publicada no jornal O Mossoroense em 20/01/2007

Print Friendly, PDF & Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *