Souza se reúne com diretor do DER e cobra solução para reativar o Aeroporto Dix-sept Rosado

DEPUTADO SOUZA_E_DIRETOR DO DER  ok okJorge Ernesto tratou de questões relacionadas ao aeroporto com o deputado Souza  (Foto:  Divulgação/Assessoria)

Após a sessão na Assembleia Legislativa, ontem, 22, onde fez pronunciamento cobrando urgência no investimento do Estado para que o Aeroporto Dix-sept Rosado, em Mossoró, volte a funcionar em sua plenitude, o deputado estadual Manoel Cunha Neto, “Souza” (PHS), teve audiência com o diretor do Departamento de Estradas e Rodagens (DER), Jorge Ernesto Pinto Fraxe.

O deputado procurou o diretor para se cientificar do que estava sendo feito, quais as pendências e no que ele como deputado poderia ajudar para que o aeroporto volte a funcionar a contento.

O diretor garantiu ao deputado que já encaminhou providências para licitação para recuperação, aparelhamento e ordenamento técnico do Aeroporto Dix-sept Rosado, para que possa atender as normas técnicas e voltar a ter utilização em voos regulares.

Ainda conforme o diretor informou ao deputado Souza, o Estado deverá investir em torno de R$ 500 mil.

Contato

Após a audiência, o deputado Souza ligou para o prefeito de Mossoró, Francisco José Júnior (PSD), e transmitiu o apelo do diretor do DER, que é o de que a Prefeitura de Mossoró ceda pelo menos três servidores capacitados, para serem treinados e aproveitados à gestão e operacionalização do Aeroporto Dix-sept Rosado.

Souza teve a garantia de Francisco José Júnior de que a Prefeitura de Mossoró continuará colaborando com a reativação do aeroporto, por entender que ele é equipamento indispensável ao desenvolvimento do município e região.

“O prefeito adiantou-me que mesmo antes de contato com o DER, tem tomado algumas medidas emergenciais, para limpeza e manutenção de algumas necessidades urgentes do aeroporto. Prometeu que falaria com o dirigente do DER ainda hoje, para agilizar o atendimento ao que foi solicitado”, relata Souza.

Segundo o deputado, essa situação deverá avançar. “Como eu disse em meu discurso hoje na Assembleia Legislativa, não há desenvolvimento em nenhuma parte do mundo, sem aeroporto. O de Mossoró é a referência na Costa Branca e região Oeste”, assinalou.

Pronunciamento

Abaixo, confira o pronunciamento na íntegra do deputado Souza, feito ontem, na Assembleia Legislativa:

Senhor presidente,

Demais colegas deputados,

Telespectadores da TV Assembleia,

Senhores e senhoras presentes às galerias,

Em qualquer parte do mundo moderno, um equipamento indispensável ao desenvolvimento econômico é um aeródromo.

A região da Costa Branca, que tem Mossoró como polo, há décadas possui o Aeroporto Dix-sept Rosado como referência.

Mas há cerca de dez anos não possui voo regular, comercial. Apenas aeronaves do Estado e particulares fazem pousos e decolagens, mesmo com enormes restrições dos órgãos controladores da aviação nacional.

No Governo anterior, por exemplo, chegou a ser totalmente fechado com a exigência de cumprir 44 dispositivos de segurança.

A interferência política, em Brasília, alterou a decisão e permitiu que pouco mais de 48 horas depois, o Dix-sept Rosado retomasse suas atividades, mas sem poder acolher movimentação à noite.

Há um esforço do governador Robinson Faria para que Mossoró e a região da Costa Branca e Oeste tenham de volta um aeroporto com movimentação regular, dentro de normas de segurança, alavancando o desenvolvimento.

Reconheço esse compromisso e não tenho dúvidas do empenho do governador para que cheguemos a bom termos nessa operação para retomada de voos comerciais.

As classes empresariais de Mossoró e região também demonstram empenho e interesse nessa reativação do Aeroporto Dix-sept Rosado.

O próprio prefeito Francisco José Júnior revela esforço para modificar esse cenário.

Lembro-vos que no Ceará, a aposta do Governo há alguns anos tem sido a formatação de polos de desenvolvimento descentralizado, em várias regiões do estado.

Dentro dessa estratégia, aeroportos foram construídos, outros reformados e ampliados. Surgiram aeródromos estratégicos, como o de Aracati, a cerca de 95 quilômetros de Mossoró.

Enquanto isso, retrocedemos no RN. São anos de atraso, de precariedade, desalento, desesperança.

Vale ser lembrado que ao longo da história do Rio Grande do Norte, o nascimento do aeroporto de Parnamirim, o Trampolim da Vitória das forças aliadas na Segunda Guerra Mundial, mudou a configuração e o futuro de Natal e da Grande Natal.

Há pouco tempo tivemos a inauguração do Aeroporto Internacional Aluízio Alves, em São Gonçalo do Amarante, que certamente vai se constituir num vetor do desenvolvimento do estado.

Mossoró, também tem uma história de vinculação marcante à aviação, pois nos anos 30 constituía seu primeiro clube aeronáutico, na vanguarda da região e algo raro no Nordeste àquela época. Daí nasceu o Aeroporto Dix-sept Rosado, com movimentação regular durante décadas.

Quero destacar, que recentemente participei de reuniões com consultores empresariais e empresários de grandes grupos econômicos do Brasil e exterior. Na pauta, possibilidade de investimentos no Rio Grande do Norte em diversas áreas da economia.

Como cobrança comum, a necessidade de um aeroporto ativo e seguro em Mossoró. Imprescindível, inadiável.

Meu pronunciamento é um alerta, um clamor e uma manifestação como representante de Mossoró, da Costa Branca e também voz do Oeste nesta Casa, ao lado de outros colegas.

Prometo que acompanharei o caso e passarei a ter uma cobrança mais efetiva, relatando passo a passo na tribuna desse poder e através dos meios de comunicação disponíveis.

Não podemos aceitar que tenhamos os meios para atração de investimentos, amplificação do emprego e renda, além de reforço na tributação, mas deixemos tudo escapar.

Sem aeroporto não há desenvolvimento.

Muito obrigado. 

Print Friendly, PDF & Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *