Petrobras e Uern renovam contrato de pesquisa de espécies marinhas nas praias do litoral do RN e Ceará

0 REITOR PEDRO FERNANDES COM O PROFESSOR FLÁVIO LIMAProfessor Flávio Lima com o reitor Pedro Fernandes, durante a assinatura do contrato (Foto: Divulgação/Agecom)

O Reitor da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (Uern), professor Pedro Fernandes Ribeiro Neto, recebeu na manhã de ontem, 10, no gabinete da Reitoria, em Mossoró, o coordenador-geral do Projeto de Pesquisa com Monitoramento de Encalhes da Biota Marinha no Litoral Potiguar e Cearense, professor Flávio Lima. 

Na oportunidade, foi assinado contrato de prestação de serviços de pesquisa entre a Petrobras e a Uern, que objetiva investigar as ocorrências de mamíferos marinhos, de tartarugas e de outros animais nas praias do litoral do Rio Grande do Norte e Ceará.

O coordenador-geral do Projeto de Pesquisa com Monitoramento de Encalhes da Biota Marinha no Litoral Potiguar e Cearense, professor da Uern, Flávio Lima, disse que a audiência com o reitor Pedro Fernandes teve como objetivo principal a renovação deste contrato que já teve a duração de cinco anos e agora é renovado por mais dois anos.

Segundo Flávio Lima, o projeto atua nas praias do litoral do Rio Grande do Norte e Ceará desde Caiçara do Norte até Aquiraz, no Ceará, onde diariamente os integrantes fazem a pesquisa de monitoramento das praias para registrar a ocorrência de animais marinhos que venham a encalhar, e caso estejam, vivos, oferecê-los a oportunidade de um processo de reabilitação e soltura, devolvendo-os ao ambiente marinho.

O projeto é executado desde dezembro de 2009 pela Uern, por meio do Projeto Cetáceos da Costa Branca. As atividades são desenvolvidas em 14 municípios, entre Caiçara do Norte e Aquiraz, totalizando uma faixa litorânea de 336 Km.

Durante os monitoramentos de praias são registradas as ocorrências de tartarugas marinhas, aves, golfinhos, baleias, peixes bois e descartes de peixes vivos ou mortos. Em caso de animais vivos os monitores acionam a Equipe de Resgate para transportar os mesmos até a Base de Recuperação de Animais Marinhos do projeto, sediada na praia de Upanema, em Areia Branca. Chegando na base os animais passam por acompanhamento de médicos veterinários e após a completa reabilitação são devolvidos ao mar.

Entre os casos de regate de animais marinhos destaca-se o sucesso no atendimento de 12 peixes bois vivos encalhados nas praias da região, todos filhotes. Se estes animais não fossem resgatados imediatamente poderiam morrer, uma vez que as áreas em geral são desabitadas. O Peixe boi marinho é uma das espécies mais ameaçadas de extinção da fauna marinha no Brasil. 100% dos animais resgatados foram translocados para centros especializados na reabilitação dessa espécie no Brasil para posteriormente serem devolvidos a natureza. 

00 baleiaResgate de baleia encalhada na praia de Upanema teve grande repercussão (Foto: Afrânio Mesquita)

O Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia Potiguar também teve êxito na devolução ao mar de uma Baleia Jubarte encalhada na Praia de Upanema, em Areia Branca, em outubro de 2011. Em outubro de 2013, na mesma praia encalharam 30 golfinhos da espécie falsa orca (Pseudorca crassidens).  Em menos de três horas a equipe do projeto conseguiu devolver com vida ao mar 24 indivíduos, representando um sucesso de 83% dos animais que encalharam. Este caso teve grande repercussão no Brasil e no exterior, por se tratar de uma espécie de grande porte (adultos podem atingir até 6 metros de comprimento e pesar 1500 kg) e que geralmente ocorrem em alto mar. 

Print Friendly, PDF & Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *