No RN, produção de camarão cresce pelo terceiro ano seguido e chega a 20,7 mil toneladas

Carcinicultura continua crescendo no RN (Foto: Reprodução/TV Globo)

Com a produção de 20,7 mil toneladas, o Rio Grande do Norte se mantém como maior produtor de camarão do Brasil. Essa quantidade corresponde a 38,2% de todo o camarão produzido em território nacional. Os dados foram divulgados nesta quinta-feira, 15, e fazem parte da Pesquisa da Pecuária Municipal (PPM) 2019 do IBGE.

As 20,7 mil toneladas geraram R$ 555,4 milhões. Esse dinheiro representa 46,8% do valor de produção de camarão do Brasil em 2019. Na comparação com 2018, houve um crescimento de 5,1% na produção do crustáceo. Esse é o terceiro ano seguido de crescimento da carcinicultura norte-rio-grandense.

Entre os dez municípios com maior produção de camarão do Brasil, seis são do Rio Grande do Norte: Pendências, Canguaretama, Arês, Mossoró, Senador Georgino Avelino e Nísia Floresta. A soma da produção desses municípios representa 71% de todo o camarão produzido no Estado.

O Rio Grande do Norte também é o maior produtor de larvas de camarão do Brasil com 6,7 milhões de milheiros em 2019. Essa quantidade representa 56% da produção nacional de larvas. Juntos, o estado potiguar e o Ceará produzem 93% das larvas de camarão nacionais.

Rebanhos

Seguindo a tendência nacional e da região Nordeste, o rebanho bovino do Rio Grande do Norte teve crescimento de 7% em 2019, comparado ao ano anterior, e chegou a 929,4 mil cabeças. Esse é o menor efetivo do Nordeste e quarto menor do Brasil.

O rebanho de caprino, por sua vez, variou negativamente no período, a quantidade cabeças diminui de 439.429 para 433.715, redução de 1,3%; em oposição à região Nordeste, que teve crescimento de 6%.

O Rio Grande do Norte verificou crescimento, em 2019, dos rebanhos ovinos (6%), suínos (7%) e de galináceos (29%).

PPM

Com periodicidade anual, a Pesquisa da Pecuária Municipal (PPM) apresenta dados sobre os efetivos de pecuária dos municípios, a produção de origem animal (inclui a aquicultura) e o valor de produção.

Print Friendly, PDF & Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: O conteúdo está protegido !!