Mistério que envolve desativação da Frota Oceânica teria como origem um ex-dirigente do clube Vasco da Gama

FROTA OCEÂNICABarcaças da Frota Oceânica permanecem inativas, no cais de Areia Branca

O abandono” de três embarcações de transportes de sal pertencentes à Frota Oceânica e Amazônica S/A que eram administradas, em forma de arrendamento, pela empresa Salinas do Nordeste Ltda. (Salinor), continua envolto em mistério.

Desde julho passado as barcaças Osmundo Faria, Dix Sept Rosado e Antônio Florêncio estão atracadas no Cais Tertuliano Fernandes, sem operar, mas com tripulantes a bordo cuidando da manutenção.

Até agora não se sabe qual será o destino das três embarcações nem das respectivas tripulações, que quando operando normalmente, totalizava cerca de 60 empregos diretos.

O aluguel mensal de uma embarcação dessa, que tem capacidade para transportar 1.500 toneladas cada uma, é em torno de R$ 150 mil.

jose-hamilton-mandarino-ex-vice-presidente-de-futebol-do-vasco-1347478558336_300x300Segundo apurou o Blog, a desativação das barcaças da Frota Oceânica e da divisão marítima da Salinor em Areia Branca teria ligações com um rumoroso processo que corre na Justiça, envolvendo o Grupo Fragoso Pires, proprietário da Frota Oceânica e o empresário José Hamilton Mandarino, ex-vice-presidente do clube Vasco da Gama, do Rio de Janeiro (RJ), então controlador da Frota Oceânica e da Salinor.

Mandarino: tropeços de gestão à frente da empresa Salinor

Curiosamente as barcaças da Frota Oceânica e Amazônica deixaram de operar no transporte de sal das salinas de Areia Branca e Macau para o Porto-Ilha, um ano depois de Mandarino ter sofrido derrota no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ) num processo cujos autores são José Carlos Fragoso Pires, Pamar Participações Marítimas S/A, Cope Participações e Empreendimentos Ltda., e Frota Oceânica e Amazônica S/A. Motivo da ação: a gestão abusiva de Mandarino frente à Salinor.

Em Areia Branca, a Salinor como arrendatária das barcaças da Frota Oceânica não existe mais. Ou melhor, existe como empresa, mas por meio da sua subsidiária Navenor.

Print Friendly, PDF & Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *