Laboratório de monitoramento reforçará projeto que trabalhou no encalhe de golfinhos no litoral de Areia Branca

0Projeto teve êxito na devolução ao mar de uma Baleia Jubarte encalhada na praia de Upanema (Foto: César Alves)

O laboratório de monitoramento de Biota Marinha/Projeto Cetáceos da Costa Branca que será inaugurado nesta quinta-feira, 7, pelo reitor Pedro Fernandes, e gerente da Petrobras no RN e CE, Luiz Ferradans Mato, reforçará o trabalho que vem sendo desenvolvido pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (Uern), desde 2009. O principal objetivo é atender as demandas do Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia Potiguar (PMP-BP)

O laboratório terá espaço para necropsias de animais mortos encalhados na área de abrangência do PMP-BP, indicando a causa da morte. Conta ainda com sala de preparação e análises de material biológico coletado para as análises e laudos, coleção científica de mamíferos marinhos e escritório para pesquisadores e estudantes de graduação e pós-graduação. Toda estrutura foi projetada seguindo os protocolos internacionais para este tipo de laboratório e medidas de segurança e proteção ao meio ambiente.

Entre os casos de resgate de animais marinhos destaca-se o sucesso no atendimento de 12 peixes bois vivos encalhados nas praias da região, todos filhotes. “ Se estes animais não fossem resgatados imediatamente poderiam morrer, uma vez que as áreas em geral são desabitadas”, ressalta o professor Flávio Lima, coordenador geral do Projeto.

Ele explica que o Peixe boi é uma das espécies mais ameaçadas de extinção da fauna marinha no Brasil. 100% dos animais resgatados foram levados para centros especializados na reabilitação dessa espécie no Brasil para posteriormente serem devolvidos a natureza.

O Projeto Monitoramento das Praias da Bacia Potiguar também teve êxito na devolução ao mar de uma Baleia Jubarte encalhada na Praia de Upanema, em Areia Branca, em outubro de 2011. Recentemente, em outubro de 2013, na mesma praia encalharam 30 golfinhos da espécie falsa orca (Pseudorca crassidens).  Em menos de 3 horas a equipe do Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia Potiguar conseguiu devolver com vida ao mar 24 indivíduos, representando um sucesso de 83% dos animais que encalharam. Este caso teve grande repercussão no Brasil e no exterior, por se tratar de uma espécie de grande porte (adultos podem atingir até 6 metros de comprimento e pesar 1500 kg) e que geralmente ocorrem em alto mar.Flávio-Lima OK                                       O biólogo Flávio Lima é o coordenador geral do Projeto (Foto: Carlos Jr.)

Desde o início do projeto, em dezembro de 2009 até setembro de 2013 foram percorridos no monitoramento de praias 476.035,36 Km, o equivalente a cerca de 12 voltas ao redor da Terra (40.075km) e mais do que a distância entre a Terra e Lua (384.400 km). Neste mesmo período foram registradas 3.530 ocorrências e 83 espécies da fauna marinha.

O PMP-BP é executado pela Uern, por meio do Projeto Cetáceos da Costa Branca, em conjunto com a Fundação Guimarães Duque (FGD), que é a gestora administrativa financeira do projeto.

Coletiva

Depois da solenidade de inauguração que ocorrerá às 9h, o reitor Pedro Fernandes, e o gerente da Petrobras no RN e CE, Luiz Ferradans Mato, conversarão com os jornalistas e radialistas. A coletiva de imprensa está marcada para às 10h30, no novo laboratório do projeto cetáceos da Costa Branca.

Fonte: Uern

Print Friendly, PDF & Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *