Janela para o mundo: um fenômeno mal explicado

Ronaldo Ronaldo chorou várias vezes ao anunciar fim da carreira nos campos

Clóvis Rossi

Pausa nas “janelas” sobre a crise no Oriente Médio, para tomar fôlego e também para falar do fato mais espetacular do dia, o anúncio oficial de que Ronaldo Nazário de Lima deixa o futebol.

Não, não vou falar do jogador. Todo leitor que não tenha ojeriza a futebol conhece o jogador e terá a sua opinião sobre ele (majoritariamente favorável, suspeito, como a minha o é).

Gostaria de entender melhor o ser humano. Ronaldo não é apenas um talento extraordinário com a bola nos pés. Tive o prazer de participar de uma sabatina com ele organizada pela Folha. Foi uma das mais agradáveis das muitas que enfrentei, quase todas com personalidades do mundo político, em tese mais educados (do ponto de vista formal, não da civilidade) do que Ronaldo.

O jogador mostrou-se inteligente, articulado e informado. E, melhor ainda, sincero. Nunca esperava ouvir de um jogador ainda na ativa e, portanto, ainda com perspectivas, mesmo que remotas, de voltar à seleção, criticar o todo-poderoso Ricardo Teixeira, presidente da CBF.

Como é que uma pessoa com esse teor de lucidez comete a bobagem de esconder um problema –o hipotireoidismo– que foi responsável pela única mancha na sua carreira em campo?
Explico melhor: a única coisa que se pode criticar no jogador Ronaldo é o excesso de peso. Parecia relaxamento, uma combinação de excesso de farras com escassez de treinamento.

Todo o mundo lembra que a outra crítica a um poderoso feita por Ronaldo (ao então presidente Lula) se deveu precisamente ao problema do peso. Lula falou da gordura de Ronaldo, que devolveu, intempestivamente, com o suposto hábito de Lula de beber.

RON 1 Jogador com trajetória milionária, Ronaldo vai se dedicar à vida de empresário 

O próprio Ronaldo, na entrevista-despedida, cutucou jornalistas presentes, ao dizer que mais de um deles havia ironizado a sua gordura, sem saber que se tratava de uma doença de difícil tratamento para quem, como ele, não pode tomar os remédios recomendáveis porque seria apanhado no exame anti-doping.

Também é preciso lembrar que a crise final no seu relacionamento com a torcida corintiana girou em torno do peso. O grito de guerra era “Ronaldo, gordão/fora do Timão”.

Por quê, então, esconder o hipotireoidismo? Diminuiria a estatura de Ronaldo confessar que sofre de um mal que não pode combater adequadamente? Ou, ao contrário, ganharia a compreensão pelo menos de uma parcela da torcida, aquela capaz de, digamos, fanatismo humanizado, se é que existe tal coisa?

Ah, a mente humana é um aparelho demasiado complicado mesmo quando seu portador é um fenômeno.

CLOVIS Clóvis Rossi é repórter especial e membro do Conselho Editorial da Folha, ganhador dos prêmios Maria Moors Cabot (EUA) e da Fundación por un Nuevo Periodismo Iberoamericano. Assina coluna às quintas e domingos na página 2 da Folha e, aos sábados, no caderno Mundo. É autor, entre outras obras, de “Enviado Especial: 25 Anos ao Redor do Mundo e “O Que é Jornalismo”.

* Da Folha.com de ontem, 14/02/2011

Print Friendly, PDF & Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *