Infarto fulminante mata em Natal o areia-branquense conhecido por “Neguinho de Dionísio”; sepultamento será no cemitério local

Faleceu por volta das 17h desta sexta-feira, 20, em Natal, o areia-branquense Francisco das Chagas da Silva, mais conhecido como “Neguinho de Dionísio”. A causa da morte teria sido um infarto fulminante.

Segundo informações da família, na quarta-feira, 18, “Neguinho” se sentiu mal e foi levado a uma unidade de saúde, onde depois de submeter-se a exames foi liberado e voltou para casa. Mas como ele continuou se queixando da dor à altura do peito esquerdo, sua esposa Maria Aparecida Oliveira da Silva resolveu procurar o hospital e marcar um exame para hoje, à tarde.

Segundo a família, “Neguinho” chegou a telefonar hoje para a mãe e outros parentes em Areia Branca, tranquilizando-os que estava tudo bem com ele, tinha sido apenas um mal estar. É tanto que ele foi para o hospital na hora marcada do exame dirigindo o carro junto com a esposa. Foi quando em frente à unidade hospital novamente sentiu-se mal.

“Neguinho” faleceu na tarde de hoje, em Natal, mas será sepultado no cemitério de Areia Branca

Apavorada, a esposa chamou pelas enfermeiras que trouxeram uma cadeira de rodas e o conduziram às pressas para uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Médicos e enfermeiras ainda tentaram reanimá-lo, mas sem êxito.

“Neguinho” tinha 55 anos e era casado com Maria Aparecida. Morou por muitos anos na rua Francisco Ferreira Souto, próximo à Panificadora e Mercearia Alvorada. Atualmente residia em Natal com a família. Ele também trabalhou como taxista na linha Areia Branca-Mossoró e nos anos 70 e 80 ficou conhecido em diversas cidades pela sua participação como cantor, em bandas da região do Seridó. Por um tempo fez serestas, com o nome artístico de “Chasil”, mistura do Chagas e do Silva que compõem o seu nome verdadeiro.

Segundo informações do músico Clemick, proprietário do Forrozão Xamego, sobrinho do falecido, o sepultamento será no Cemitério Público São Sebastião, em Areia Branca. Mas não soube precisar a hora, porque o corpo ainda estava no hospital para os procedimentos de praxe.

Print Friendly, PDF & Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *