Gestores da Costa Branca vão a Natal mostrar importância do Carnaval para os seus municípios

0 LULU

Luana Bruno, deputado “Souza” e “Naldinho” participam da reunião, em Natal (Foto: Jailton Rodrigues)

Está agendada uma reunião nesta segunda-feira, 2, em Natal, com o representante do Ministério Público Estadual junto ao Tribunal de Contas do Estado, para tratar sobre a realização do Carnaval de Areia Branca deste ano, bem como em dos municípios vizinhos.

Os prefeitos de Areia Branca, Luana Bruno (PMDB); de Grossos, José Maurício Filho, “Mauricinho” (PMDB); e de Tibau, Josinaldo Marcos de Souza, “Naldinho” (PSD), com suas assessorias jurídicas, vão contar com o apoio do deputado estadual Manoel Cunha Neto, “Souza” (PHS), nessa conversa com o Procurador-geral de Contas do Estado, Luciano Ramos, para tratar sobre os eventos carnavalescos nesses municípios.

Gestores e assessores irão munidos de documentos com informações e projeções de números sobre o Carnaval em suas cidades, mostrando a importância do evento para essas localidades.

No caso de Areia Branca, desde que assumiu o mandato a prefeita Luana Bruno manifesta o desejo de resgatar o Carnaval, que segundo a gestora não constitui um mero evento com o intuito de celebrar a maior festa popular do Brasil.

Em nível local, de acordo com análise de Luana Bruno, os grandes carnavais realizados pela prefeitura nos últimos anos mostraram que o investimento feito pelo município tem retorno. Ou seja, é uma festa para gerar divisas econômicas para o município e não prejuízo para o erário.

A contabilidade dos carnavais areia-branquenses que aconteceram de verdade a partir da primeira gestão do ex-prefeito Bruno Filho (PMDB), no período de 1997 a 2000, mostrou que o comércio varejista, os setores de hotelaria e imobiliário, entre outros, cresceram significativamente na cidade com a efervescência do reinado de Momo.

As pessoas comuns também passaram a acreditar no evento como fonte geradora de ocupação e renda. E a paz reinava. Eram festas grandiosas, com índice zero de violência.

Print Friendly, PDF & Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *