Frente fria causa baixo impacto no RN, analisam pesquisadores da Emparn

Na região serrana, Martins chega a registrar baixíssima temperatura (Foto: Gonzaga Júnior)

Embora o Brasil tenha registrado os últimos dias uma queda acentuada da temperatura em muitos estados da sua região centro-sul, devido ao avanço de uma frente fria, as análises feitas pelos pesquisadores da Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (Emparn) registram poucos impactos climáticos no Estado.

“Mesmo que essa massa de ar polar (frente fria) consiga atingir latitudes próximas a região Nordeste, a massa de ar vai sofrendo mudanças nas suas características físicas e ao entrar na faixa equatorial (10 graus norte a 10 graus sul), praticamente se transforma em linha de instabilidade com formação de chuvas, diminuindo a temperatura em regiões serranas”, explicou o chefe da unidade instrumental de Meteorologia (Emparn), Gilmar Bristot.

Com aumento da formação de nuvens, decorrente da atuação da frente fria, associada a maior circulação de ventos e a consequente diminuição da incidência solar, ocasionam a redução das temperaturas, especialmente na região serrana do RN.

“Em Luiz Gomes, por exemplo observou-se a temperatura de 17,80°C no dia 07 de julho de 2021, próximo da meia noite. No município de Venha Ver a temperatura chegou a 17,40°C no dia 28/06 as 06:00hs da manhã. Nos próximos dias, com a provável chegada de resto da Frente Fria na região sul do Nordeste, as temperaturas poderão chegar a 17°C, nas áreas serranas e em torno de 21°C, nas demais regiões”, avaliou.

Previsão

O mês de agosto, climatologicamente, é o mês mais frio da capital potiguar devido ao aumento da circulação de ventos de sudestes. O potiguar deverá sentir a temperatura média mais amena, variando entre 16°C e 18°C, nas áreas serranas e 18°C e 22°C nas demais regiões.

Para a primeira semana do mês, as análises indicam que as temperaturas mínimas na capital potiguar deverão oscilar, dentro da normalidade, entre 21°C a 23°C. “No interior, temperaturas menores nas regiões serranas, podem atingir 16°C de mínima”, analisou Bristot.

Print Friendly, PDF & Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *