Católica praticante, Bebel Tavernard repudia politicalha na Paróquia de Areia Branca

Bebel Tavernard tem atuação destacada nas atividades da paróquia (Foto: Arquivo pessoal)

A teóloga e católica praticante, Izabel Fernandes Tavernard Neta, mais conhecida como Bebel Tavernard ou ainda Bebel da Igreja, usou sua página na internet para repudiar o que ela chamou de “politicalha” que predomina na Paróquia Nossa Senhora da Conceição  de Areia Branca .

Nascida em lar católico, Bebel Tavernard tem atuação destacada na paróquia local como catequista, integrante da liturgia e canto, entre outras atividades  religiosas. “Estou a serviço da Santa Igreja desde minha infância na Paróquia Nossa Senhora da Conceição, filha consagrada à Jesus pelas mãos da Santíssima Virgem Maria, tenho visto com tristeza o cenário atual da minha comunidade católica. A Paróquia Nossa Senhora da Conceição em Areia Branca definitivamente levantou a bandeira da politicalha e isso só me envergonha”, diz na nota de repúdio que repercute nas redes sociais nesta sexta-feira, 31.

“A Igreja não deve estar alheia ao mundo político, obviamente, a política apartidária, a política do bem comum, a do amor preferencial pelos pobres, sempre foi a política de Jesus de Nazaré e deve ser a nossa. Mas o que estou vendo é levantamento de bandeira, reuniões políticas feito dentro da igreja e até na cozinha residencial… Uma vergonha! Festas religiosas praticamente sendo realizadas com os membros de um determinado partido político de Areia Branca, e quanto aos que pensam diferente estão sendo excluídos. Ver autoridade religiosa não somente tendenciosa mais “subindo no palanque e levantando bandeira pra A ou B”! Se expondo em vídeos e lives (dentro da igreja e na hora das Santas Missas) para promover partido A ou B! Isso é triste, pior, VERGONHOSO!”, afirma Bebel, no texto.

Mais adiante, Bebel destaca que “a maior parte da população areia-branquense se denomina católica, ou o é de fato. Na somativa de cada membro da Santa Igreja aqui na cidade de Areia Branca/RN têm pensamentos politico-partidário divergentes… E a diferença de pensamento deve ser mantida e preservada. Pois igualdade é diferente e uniformidade, querer que os fiéis pensem de forma política uniforme é intolerante, pouco criativa e burra. Vale salientar que não estou condenando nenhum membro ou partido político que estão defendendo sua bandeira, o que é deplorável é a permissividade que a politicalha aconteça dentro dos âmbitos paroquiais”.

“Buscar “benefícios” para a Igreja para ter a obrigatoriedade no apoio apoio politico-partidário me lembra uma passagem do Santo Evangelho de São Mateus 21,13, onde o próprio Jesus fala: “E disse-lhes: Está escrito: Minha casa é uma casa de oração (Is 56,7), mas vós fizestes dela um covil de ladrões (Jr 7,11)!” Uma coisa é certa, não existe paz sem unidade, entretanto esse tipo de comportamento divide o rebanho, causa contendas e fomenta ódio e perseguições entre os irmãos e o clero deve estar atento e imparcial na decisão politico-partidária de seus fiéis”, acrescenta na nota, a teóloga.

“Este tipo de política que vemos em nosso país é marcada pela corrupção, desvio de dinheiro, violência, injustiças, busca de interesses pessoais, etc., realmente nos provoca certa aversão e é esse tipo de política que não queremos ver entre nós e muito menos na nossa paróquia. Portanto, temos ciência que a política faz parte da nossa realidade, da nossa estrutura de vida. Ela está presente no governo, nas famílias, Igrejas, na sociedade… O cristão realmente comprometido com o Reino de Deus não fica fora desta realidade. Porém a imparcialidade partidária do clero é mais que necessária para bem nortear as ovelhas a terem a liberdade de escolher aquilo que de fato é melhor para o povo. Coisa que aqui não temos visto, infelizmente. É nítida a orientação partidária de membro(s) do clero da nossa cidade…”, opina Bebel.

Ela escreve ainda, que “a igreja, “é particularmente necessária quando se trata de descobrir, de inventar meios para impregnar as realidades sociais, políticas, econômicas, com as exigências da doutrina e da vida cristã”(CIC, 899) Ou seja, a mesma não deve andar na cartilha do partido político A ou B”.

No texto, Bebel destaca: “sei que com esse ato posso sofrer certa perseguição, na igreja ultimamente tem muitos donos e nem sempre é o pároco que realmente rege e tange seu rebanho. É triste ver que há autoridade religiosa submeter, andar, se nortear conforme o pensamento de um ou outro fiel de forma literalmente tendenciosa. Mais não tenho medo, porque assim, certamente me assemelharei mais a Jesus de Nazaré, o meu verdadeiro e único Senhor e Rei”.

“Mais hoje rogo a Deus e as luzes do Espirito Santo de Deus com a poderosa intercessão da Virgem Maria, a Imaculada e Mãe dos Navegantes que liberte nosso povo da discórdia e das injustiças. Que faça nossa paróquia rever os conceitos realmente pouco cristão e estabeleça a verdadeira paz entre nós independentemente de que bandeira levantamos no mundo político-social”, conclama Bebel.

“Como diz Santo Agostinho: “Quando um homem começa a renovar-se espiritualmente, começa também a ser vítima das más línguas de seus difamadores. Quem não sofreu esta prova não começou ainda a progredir. E quem não está disposto a sofrê-la, é por que não está decidido a converter-se”. Paz e bem a todos! Salve Maria Imaculada!”, finaliza Bebel Tavernard.

Print Friendly, PDF & Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: O conteúdo está protegido !!