Bloco Mulheres de Areia não deverá animar as ruas de São Cristóvão este ano em virtude da morte do seu fundador

BLOCO MULHERES OKA irreverência toma conta das ruas do Cristóvão com o Mulheres de Areia (Foto/Reprodução: Blog Litoral na Mídia)

Prestes a comemorar 23 carnavais, o bloco Mulheres de Areia, da vila-praia de São Cristóvão, litoral de Areia Branca, sofreu uma perda irreparável durante a semana e tudo indica que não sairá este ano. Na sexta-feira, 24, faleceu em Mossoró, Rinaldo José do Nascimento, fundador do bloco. De maneira subida, surpreendente, enquanto dormia.

A notícia da morte de Rinaldo Nascimento, que era uma pessoa muito querida em Mossoró e na praia de São Cristóvão, foi recebida com impacto pelos familiares e os muitos amigos do carnavalesco, que era uma pessoa de bem com a vida e defendia os interesses dos comunitários de São Cristóvão como se fossem membros da sua própria família.

Em contato com o Blog, pessoas próximas de Rinaldo afirmaram que dificilmente o bloco Mulheres de Areia sairá este ano. “Não temos clima, estamos a pouco mais de um mês do início do Carnaval, não tem como ir para as ruas sem a presença de Rinaldo, ele que era a própria alegria, era o combustível do bloco”, desabafa José Antônio, amigo do falecido e um dos apaixonados pelo bloco.

Apesar de concentrado na vila-praia de São Cristóvão, o bloco Mulheres de Areia, que comemoraria 23 anos de folia este ano, tornou-se uma alternativa para os foliões de outras comunidades. Assim, com o passar dos anos o bloco ganhou força e um número maior de simpatizantes. O bloco das terças-feiras de Carnaval se consagrou pela tradição de levar às ruas da comunidade homens vestidos de mulheres e mulheres vestidas de homens.BLOCO MULHERES 3 OK                           Homens vestidos de mulheres, a tônica do  bloco (Foto/Reprodução: Blog Litoral na Mídia)

“Invertemos os papéis. Na terça de Carnaval são as mulheres que nos protegem e a gente vai aproveitar a festa nas ruas de São Cristóvão”, declararam em tom bem humorado Rinaldo Nascimento e Altair Campielo, outro idealizador do Mulheres de Areia, numa conversa com o Blog no ano passado, quando eram comemorados os 22 anos do bloco.

Segundo ele, as mulheres são as responsáveis pelo cordão de isolamento do bloco que percorre as ruas da vila-praia sempre às terças-feiras. “Trajadas de homem, a mulherada faz o cordão de isolamento e usa cacetetes para nos proteger”, reforçaram.

Print Friendly, PDF & Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *